• Miniatura
  • denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Com mediação do MPT, Sindicatos dos Vigilantes e Patronal em Rondônia discutem reajuste salarial
  • banner grande uirapuru
  • BUSDOOR-FACE

Com mediação do MPT, Sindicatos dos Vigilantes e Patronal em Rondônia discutem reajuste salarial

Por não haver acordo na primeira rodada de negociações, vigilantes e patrões voltam a discutir propostas em nova reunião de mediação na Procuradoria Regional do Trabalho

PORTO VELHO / RO - Sindicatos dos vigilantes (SINTESV-RO) e dos representantes patronais da categoria em Rondônia discutem reajuste salarial com mediação do Ministério Público do Trabalho (MPT) na 14ª Região. A primeira reunião para apresentação de propostas ocorreu terça-feira (19) desta semana, na Procuradoria Regional do Trabalho, sede do MPT em Porto Velho, a qual foi conduzida pelo Procurador do Trabalho Carlos Alerto Lopes de Oliveira.

Na reunião de mediação o Sindicato dos vigilantes, representado pelo presidente Paulo Tico, propôs ao Sindicato Patronal que os vigilantes tenham salários ajustados com reposição da inflação do período de Março de 2018 a Fevereiro de 2019 mais 1.80% de ganho real sobre o salário base da categoria e 14% sobre o vale alimentação.
Por seu lado, o presidente do Sindicato Patronal, Francisco Fonseca, propôs reajuste salarial extensivo ao vale alimentação de 100% (cem por cento) da inflação do período.

Na sexta-feira (22) haverá nova rodada de negociações com mediação do MPT na sede da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT)
Na sexta-feira (22) haverá nova rodada de negociações com mediação do MPT na sede da Procuradoria Regional do Trabalho (PRT)

A proposta patronal foi rejeitada pela diretoria do Sindicato dos Vigilantes. Além de recusar a proposta patronal, a diretoria do SINTESV-RO propôs mais: que haja discussão das cláusulas que tratam do pagamento de 100% nos dias feriados, intervalo intrajornada, ajuda de custo para deslocamento, curso de extensão na reciclagem, retirada do inspetor I, retorno da hora noturna reduzida, permuta de plantão, e outras.

Como a proposta foi rejeitada pelo Sindicato Patronal, uma nova rodada de negociações entre os representantes das duas categorias ficou agendada para ser realizada na sede do MPT – Ministério Público do Trabalho, na sexta-feira (22), às 14 horas, com mediação do Procurador do Trabalho Carlos Alberto Lopes de Oliveira.

Fonte: MPT | RO e AC

ASCOM – Assessoria de Comunicação Social | E-mail: prt14.ascom@mpt.mp.br | (69) 3216-1200 | 3216-1265 | 3216-1261

Imprimir

  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • meio ambiente
  • trabalho escravo
  • trabalho portuario
  • liberdade sindical
  • promocao igualdade
  • trabalho infantil